Cadastro
Cadastre-se e receba novidades semanais
Cadastro
Pesquisa Personalizada
Cadastre-se grátis!

Especiais
Greve de ônibus: População da Grande Vitória fica à pé

30 de Junho de 2010
Compartilhar:
Facebook
Twitter
Greve de ônibus: População da Grande Vitória fica à pé

Os moradores da Grande Vitória estão sem transporte coletivo nesta quarta-feira (30) devido a uma paralisação de motoristas e cobradores. Desde o início da manhã os veículos que atendem ao Sistema Transcol não deixaram as garagens das empresas e a população ficou a pé. Linhas municipais de Vitória e Vila Velha também estão paradas. 

Terminais do Transcol estão fechados. No município de Cariacica, por exemplo, os portões não foram abertos nas unidades de Campo Grande, Itacibá e Jardim América. Nos terminais de Vila Velha e do Ibes, os acessos também estão trancados.

O dia nem havia clareado ainda e as primeiras pessoas que utilizam os ônibus não consiguiram sequer deixar os pontos. No interior dos bairros, os passageiros se amontoavam na expectativa de que algum ônibus circulasse. Porém a espera foi em vão. 

Diversas pessoas também se deslocaram até próximo aos principais corredores de circulação do transporte coletivo, como BR 262, Rodovia do Contorno, Avenida Fernando Ferrari e Avenida Carlos Lindenberg, para encontrar transporte. Como nenhum ônibus circulava, o desgaste físico foi inútil e a espera continuava.

O diretor de patrimônio do Sindicato dos Rodoviários (Sindirodoviários), Silvio Ramos de Oliveira, informou que a paralisação não é uma articulação sindical, mas foi promovido pelos trabalhadores rodoviários que não aceitam a representatividade do Sintrovig em questões trabalhistas. Segundo Ramos, os rodoviários como um todo entendem que, como a diretoria do Sintrovig não foi eleita num processo amplo, não poderia ocorrer essa representatividade. 

Trânsito

Além do Sistema Transcol, que atende a toda Grande Vitória, os ônibus do sistema municipal de transporte coletivo de Vila Velha e da capital do Espírito Santo, também não circulam. A paralisação de motoristas e cobradores impede que os veículos deixem as garagens.

Sem ônibus nas ruas e com mais veículos particulares circulando, diversos pontos da região metropolitana de Vitória estão congestionados. Na BR 262 e Segunda Ponte - entre Cariacica e Vitória, e na Terceira Ponte - entre Vila Velha e a capital - a fila de carros segue lentamente. A situação é semelhante na Avenida Fernando Ferrari, em Vitória. 

O secretário de Trânsito de Vitória, Fábio Damasceno, informou nesta manhã, em entrevista ao programa Bom Dia ES, da TV Gazeta, que a Guarda Municipal da capital já foi acionada sobre a paralisação dos ônibus e deslocou agentes para os principais pontos, como cruzamentos de acesso à Terceira Ponte, à Segunda Ponte e na Avenida Fernando Ferrari. 

Medidas judiciais contra paralisação

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus), que representa 12 empresas operadoras do Sistema Transcol, informou nesta manhã que vai procurar as medidas judiciais cabíveis a serem tomadas contra a paralisação dos ônibus e também para contornar a situação de caos na região. 

Segurança

Como os terminais da Grande Vitória estão fechados e a procura por esses locais é intensa, já que muitas pessoas foram pêgas de surpresa, a Polícia Militar está presente na porta dos terminais do Transcol. Pelo menos uma viatura faz a segurança dos locais. 

Disputa entre sindicatos
No início da semana, rodoviários pararam transporte em Vila Velha

A princípio a greve seria realizada apenas nos municípios de Vila Velha e Guarapari, numa decisão foi tomada no fim da tarde desta terça, após a determinação unânime do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) que legitimou o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Vila Velha e Guarapari (Sintrovig) como representante da categoria. Os motoristas e cobradores de ônibus paralisaram as atividades do sistema público de transporte na Grande Vitória nesta quarta-feira. Desde as 4 horas da manhã, nenhum ônibus deixou as garagens das empresas que atendem ao Sistema Transcol. Os terminais de ônibus estão com os portões fechados.

Os motoristas e cobradores dizem não reconhecer a autoridade sindical. Na última segunda-feira, mais de 150 mil pessoas foram afetadas por uma paralisação de sete horas no transporte urbano de Vila Velha. Os trabalhadores cruzaram os braços em protesto à disputa entre o Sintrovig e o Sindirodoviários pela representatividade da categoria.

A presidente do TRT, desembargadora Vanda Lúcia Decuzzi, criticou o movimento grevista do início da semana. "Eu, como juíza, tenho que ter muito cuidado na maneira que falo para não parecer que estou prejulgando uma situação ou outra, mas certamente o movimento grevista tem que ser utilizado para trazer benefício ao trabalhador, para algo que o trabalhador seja o real beneficiado. Jamais para o atingimento de outros fins que não sejam esses", destacou.

Sindirodoviários deixa o TRT

Após quase duas horas de julgamento, o TRT decidiu, por unanimidade, que o Sintrovig é quem responderá pelas negociações salariais de motoristas e cobradores em Guarapari e Vila Velha. Após a decisão, representantes do Sindirodoviários deixaram o plenário do tribunal.

Momentos após a decisão, o advogado do Sindirodoviários, Aídes Bertoldo, afirmou que a categoria não aceitaria o resultado do colegiado. Entre outros pontos desfavoráveis ao Sintrovig, Bertoldo destacou uma convenção coletiva assinada com os sindicatos patronais para que a data-base da categoria fosse discutida no mês de novembro. O advogado garantiu que não haveria recomendação de novo movimento grevista.

"Toda vez que os trabalhadores param, isso é debitado em nossa conta, como se fosse o Sindirodoviários que estivesse patrocinando a paralisação. Nós vamos trabalhar para que não haja paralisação, até porque o TRT já disse que a decisão definitiva se dará em outro processo, que está tramitando no tribunal", comentou o advogado.

Ônibus sem cobrador

Apesar do advogado dizer que o Sindirodoviários nada tem a ver com a deflagração da greve, a decisão de paralisar os trabalhos nesta quarta-feira foi tomada na sede do sindicato. Os trabalhadores das viações Sanremo, Praia Sol e Alvorada prometem deixar os ônibus do Sistema Transcol que se dirigirem para Vila Velha sem cobrador. Segundo os manifestantes, os cobradores serão retirados dos veículos pela categoria.

Além de confirmar o Sintrovig como representante de motoristas e cobradores em Guarapari e Vila Velha, o TRT tambpem julgou o índice de reajuste do dissídio coletivo da categoria. O sindicato pedia 17,17%, mas só conseguiu a garantia de 7,74% de aumento. Além disso, foi concedido aumento de R$ 0,50 nos tíquetes de alimentação dos trabalhadores.

Imagem: Divulgação Revisão: Ivan de Freitas – jornalismo@capixabao.com



Fonte: A Gazeta

Desenvolvido por  ar2